12/03/2017

Salvador Sobral - vencedor do Festival da canção


Salvador Sobral - vencedor do Festival da canção
.
Já passou algum tempo sobre a final do Festival da Canção da RTP. O vencedor final foi Salvador Sobral que foi legitimado pelos votos do Júri constituído pela RTP e pelo público que votou no intérprete que mais gostou. O votos das duas fontes não foram coincidentes, mas a soma dos votos do Júri deu a vitória a Salvador Sobral. Confesso que gostaria de ver ganhador o grupo da minha região “Viva La Diva”. Gostei desde o início da canção com vozes sublimes cheias de harmonia. A união da voz soberba da Kika com a dos tenores João e Luis Peças, tinha a fórmula ideal para mim, representar Portugal. A versão que foi apresentada na final foi ligeiramente modificada relativamente à primeira versão. Mas estávamos num concurso com oito excelentes canções. Foi de longe o melhor festival da canção que vi nos últimos anos, em todos os aspectos. Foi uma revolução e uma inovação que não se pode ignorar pelo esforço que a RTP imprimiu este ano num evento que pertence a todas as gerações desde que existe festival da canção. Salvador Sobral ganhou com uma excelente canção, excelente musica e sobretudo um poema sublime, escrito pela sua irmã Luisa Sobral. Nestas situações de concursos existe um vencedor e os vencidos. Ponto final. Podemos até questionar o processo de selecção, mas é normal que não se agrade a gregos e a troianos. Para mim parece-me que foi transparente. Todos gostariam de ver o seu eleito, mas quem ganhou foi o Salvador. Na Internet, deu para ver a ligeireza dos comentários sobre o vencedor, demonstrando uma falta de raciocínio e até ética, tendo em conta que todos temos telhados de vidro e vivemos num Planeta cheio que consequências e inconsequências para resolver, de forma a tornarmo-nos num ser integral onde possam ter todos cabimento de forma harmoniosa. Posso estar a ser utópico na minha apreciação, mas é isso que me norteia na vida, muito à custa de vitórias e derrotas que todos temos. Os comentários que vi, traduzem sem dúvida a opinião responsável dos próprios que só a eles diz respeito e por isso vão responder no espaço de tempo nesta ou em outras vidas para quem acredita na reencarnação. Acção e reacção é isso mesmo, semeia, obrigatoriamente colherá. Ser injusto para com um artista passa os limites. Salvador Sobral apesentou-se a concurso e ganhou. Rapidamente os comentadores desenterraram o passado conhecido e desconhecido, até conseguem inventar, só para caluniar. Valem o que valem, mas como já citei atrás todos temos telhados de vidro. Não estamos isentos de também dos nossos passados obscuros que não queremos desenterrados de um momento para o outro. Então porque razão vamos querer para os outros? Porque nos convém? Vou citar a opinião sábia de Henrique Feist, escrita na sua página de Facebook sobre os comentários que ele leu e que ficou tanto indignado quanto eu: “Chocado com comentários feitos à canção vencedora e ao Salvador Sobral. Esse conceito de canção “festivaleira” ou eurovisiva é para mim um argumento sem fundamento. As canções são o que são até serem pontuadas… a Eurovisão não é chapa cinco!! Nunca foi e até surpreendeu muitas vezes. Agora insultos, escárnio e ódio vão realmente afundando a cultura em Portugal e demonstrando a falta de respeito total por ela e pelos artistas, músicos e por aí fora e isso sim, é que é grave. Poe-se não gostar da canção e se ter preferido outra para a vitória mas, descarregamos as frustrações de uma não vitória com insultos e má educação para com quem ganhou, demonstra realmente uma pobreza de espírito e uma pequenez e falta de educação que só dá vontade de dizer mesmo…são pessoas que nem sequer valem a pena. Por isso nem sei porque escrevi isto. Se eu concordo com o resto da votação? Não. Gostava que tivesse ganhado o Fernando Daniel? Gostava. Porque era a canção do meu irmão? Não. Porque a canção era boa. Lembra-me Jaques Brel, Face ao resultado, para mim teria ficado em segundo!!!! Sou antigo? Não sei. Apenas gosto e não gosto ou acho assim assim. E daí? Só acho que o júri distrital devia estar na sala a ver o directo e aí sim, é que devia votar. Não devia de todo ser possível votar antes do espectáculo. E o televoto de que tanto falam...que não era a preferida do televoto....epa acordem!!! Como é que se tira uma elação dessas se se pode votar mais que uma vez? Senso comum, meus amigos...senso comum. Mas este...está perdido.....!!! Se tivesse ganho outra canção, vinham outros haters e entendidos. Porque é isto que somos...um país que adora deitar abaixo. Um país que tem gosto na humilhação. E se não nos sentirmos curados ou "limpos", massacramos mais e deitamos ainda mais abaixo até que nós próprios possamos sentir o gosto dessa vitória. O prazer de termos espezinhado e bem. No fundo muitos de nós somos Trump. Chegámos ao poder através do facebook. Deu-nos a possibilidade de sermos mais ouvidos. De sentirmos que também temos poder. E isso, sim, é que é perigoso”.
Assino por baixo nesta apreciação de Henrique Feist, porque somos assim mesmo, denegrimos tudo e todos faltando ao respeito pelo trabalho que cada um dedica à sua arte. Se tivessem ganho os “Viva La Diva”, já sei, as redes sociais iriam encher-se de frases Homofóbicas e por ai fora, ao trabalho dos tenores. Iriamos ter opiniões semelhantes ao cantor João Braga, cito “agora basta ser-se preto ou gay para ganhar Óscares”. Até se iria falar no lobby Gay. Santa paciência, quando é que acordamos para a realidade? 
Ainda sobre o Salvador Sobral, foi colocado em causa o seu consumo de drogas no passado e quem sabe até no presente, opinaram outros. Mas afinal em que sociedade vivemos? na perfeição? Parece que sim, que os críticos são isentos desses caminho tenebrosos e como tal devem ser excluídos. Logo surgiram caricaturas pouco abonatórias para quem quer com certeza esquecer essa fase do seu passado. Todos queremos. Então porque relembrar? Não será que não temos que ter oportunidade de encontrar finalmente um caminho mais recto? Falou-se da roupa que Salvador Sobral levou! Como se isso fosse o mais importante! E a voz, a belíssima interpretação não conta? Portugueses onde me incluo claro, burros, incultos. Nem merecemos o que outros colocam ao nosso dispor. Não merecemos! Merecemos, sim viver nas catacumbas no degredo intelectual. Salvador Sobral, foi operado nessa semana a duas hérnias, uma inguinal e outra no umbigo. E daí a roupa que foi feita pela sua mãe, estar larga, para que o Salvador estivesse confortável a defender aquilo que mais gosta de fazer: Cantar! 
Por isto e por todas as razões do mundo não batam mais no “ceguinho”. Agora o que interessa é canalizar as nossas energias para quem ganhou, que bem precisa pelas más vibrações que tem estado a receber. Com tanta dificuldade a rondar-lhe na vida, só pode merecer a nossa admiração, pela dedicação na interpretação da canção que vai representar Portugal. A melodia é excepcional, a interpretação fenomenal, o poema é dos Deuses. A vida é feita de derrotas e vitórias. Se continuarmos a conspirar contra o Universo, então vamos receber de volta aquilo que enviamos. 
Por isso amigos, esta é apenas a minha simples e profunda opinião. Para mim é agora a minha canção preferida e vamos vibrar para que traga um bom resultado para Portugal.
.
Texto de JE, Caldas da Rainha, Portugal, em 2017-03-12

Sem comentários:

Enviar um comentário